domingo, 26 de abril de 2009

POESIA E MÚSICA

A musicalidade é algo perceptível na poesia. Se estivermos atentos ao mundo musical verificamos que, muitas vezes, os cantores inspiram-se nos grandes poetas, trabalham e adaptam a musicalidade presente nos poemas. Na verdade, muitas das grandes músicas resultam de grandes poemas. Sem uma boa letra, um bom poema ,dificilmente se fará uma grande canção. Como escreveu Marco Viana in Livro Aberto :

Cada palavra um som
cada verso, um refrão
Cada melodia, um dom
Cada lírica a voz do coração.

Para o comprovar, ouve com atenção uma canção dos XUTOS E PONTAPÉS (faz parte do último CD deste grupo). ATENÇÃO, se conseguires, fecha os olhos e visualiza as palavras, sente de uma forma diferente.

CLICA AQUI ( para ouvires) !

Agora, lê com atenção o poema


O FALCÃO

Vastas planícies de desespero

Eu sei que te perdeste por lá

Olha o falcão pairando no alto

Tu segue a flecha do seu olhar

Por tudo o que eu fiz

Não consigo voltar atrás

Por tudo o que eu quis

Desesperado sigo em solidão

O fumo branco sobe no ar

Vem da cidade que nunca dorme

Acho que eu já fui como tu

Um puto inquieto e cheio de fome

As pedras soltas escondem o caminho

Nada parece ser o que é

Também eu já me perdi sozinho

Olhos fechados e nenhuma fé

Olhos fechados e nenhuma fé

Por tudo o que eu fiz

Não consigo voltar atrás

Por tudo o que eu quis

Desesperado sigo em solidão

Debaixo das planícies de desespero

Eu sei que me arrancaste dali

As tuas penas foram os meus braços

Tu foste a luz que eu descobri

Tu és a luz que eu hei-de seguir

Por tudo o que eu fiz

Sei que não posso voltar atrás

Por tudo o que eu não quis

Mesmo a teu lado sigo em solidão

Em solidão (x7)

Autor : TIM

PROPOSTA DE TRABALHO : Faz um breve comentário ao que é "cantado" no poema e a sua relação ou não com o título .










19 comentários:

Diana disse...

Eu acho que a letra da música dos xutos e pontapés está relacionada com o título porque fala de uma pessoa que parece um falcão.

Bruno Outeiro disse...

O poema transmite um possível sentimento do falcão exprimido em poesia.
A relaçao entre o poema e o título é que no titulo fala do que será dito sobre esse assunto , no poema são ditos os sentimentos.

Bruno Outeiro e Ricardo Patrício 7.5

André disse...

O poema está relacionado com o título,pois fala sobre um falcão, que em vez de o devorar, acaba por orienta-lo.
No poema está também referido
" um puto ", sobre o qual parece ir ser ajudado pelo falcão.
Podemos notar, o desespero da criança, por não encontrar o caminho de volta e por estar esfomeado.

André e Jussiley 7º5ª

EVERTON_BRUNO disse...

o que eu mais gostei no poema foi os versos e as rimas

Ana Rita disse...

Não sei o que dizer
É uma linda canção
Já sei o que fazer
Vou ouvir o "Falcão"!

/\ /\
(*)_(*)
§§§§§/ \§§§§§
§§§§| |§§§§
\_____/<_-_-_falcão
/\ /\

É um poema apreciado
Mas por nós não
parece ser complicado
Na palma da nossa mão!

Ana Rita e Filipa 7º5ª

Diana disse...

Nada parece ser o que é
Também eu já me perdi sozinho
Olhos fechados e nenhuma fé
Olhos fechados e nenhuma fé

Eu acho que esta estrofe significa que não sabe o rumo do seu destino e não sabe o que fazer.

André disse...

"As pedras soltas escondem o caminho

Nada parece ser o que é

Também eu já me perdi sozinho

Olhos fechados e nenhuma fé

Olhos fechados e nenhuma fé"


Esta estrofe significa, que tudo quer esconder o caminho de volta, e que nada já parece o que é.
Também transmite a falta de fé, da pessoa.

André e Jussiley 7º5ª

Bruno Miguel disse...

Eu gostei do poema porque está a falar de um puto que acha que já foi como ele.Nas planicíes ja se perdeu;as pedras soltas escondem um caminho;um puto inquieto e cheio de fome.

Cláudia disse...

Eu acho que esta música tem tudo a ver com o título, pois fala de um falcão pairando no ar e de uma criança que o cantor julga ter tido a mesma infância que ela.
A parte que eu mais gostei nesta música foi:

As pedras soltas escondem o caminho

Nada parece ser o que é

Também eu já me perdi sozinho

Olhos fechados e nenhuma fé



Cláudia Máximo 7º5ª nº5

filipe disse...

o que eu gostei mais no poema foi

Um puto inquieto e cheio de fome
As pedras soltas escondem o caminho
Nada parece ser o que é
Também eu já me perdi sozinho
Olhos fechados e nenhuma fé...

É uma criança trabalhoza com fome.
As aparencias eludem e fala que nao ja nao tem nenhuma fe.

kevine disse...

Kevine e Edson disse...
Gostei muito do conto e achei muito interessante, porque tudo que eu já fiz não consigo voltar a traz.

Kevine e Edson 7º 5ª

Ana Rita disse...

As pedras soltas escondem o caminho

Nada parece ser o que é

Também eu já me perdi sozinho

Olhos fechados e nenhuma fé

Olhos fechados e nenhuma fé


Este poema está a transmitir uma mensagem importante: As aparencias iludem!
Nunca podemos perder a fé, porque não estamos sozinhos!!!

Ana Rita 7º5ª

Espaço7Língua Portuguesa disse...

A pessoa deve ter feito alguma coisa de errado, e quis que o tempo voltasse atrás.

Tiago Paiva e Diogo Sousa

Pedro Bento disse...

"Um puto inquieto e cheio de fome

As pedras soltas escondem o caminho

Nada parece ser o que é

Também eu já me perdi sozinho"


Por vezes na vida cometemos erros e quando reparamos nisso já pode ser tarde de mais,na musica ele parece querer voltar atras no tempo e fala como teve "perdido" quando era jovem,talvez tenha tido um passado mau...

Pedro Bento 7º 3ª

soraia disse...

Eu acho que a música fala de um homem desesperado, fala do seu passado. Tambem parece que quere voltar atras e fazer todo de novo, pode ter acontecido alguma coisa que o tivesse deixado desanimado, contrariado,triste... Nem todo na vida é bom!

Adriana Marcelino
Nº2 7º4ª

titidede disse...

Ser poeta é
transformar o mundo
num lugar mágico e misterioso,
repleto de segredos e tesouros. É voar num mundo
cheio de horizontes.
Ser poeta é
querer viver
e sonhar;
ir além de um simples pensamento.
É ver um mundo cor-de-rosa.
Transformar as palavras
em suaves melodias.
É prolongar o luar
até o sol estar a pino.
Ser poeta é
fazer silêncio,
e na escuridão
acender uma luz.
É transformar o abstracto
em concreto.
É comparar o impossível
à realidade mais próxima de nós.
Ser poeta é
sair do labirinto da vida
E idealizar um mundo.
Ser poeta é querer sonhar.

debora12 disse...

Ser poeta
É da dor criar algo belo
É pensar no amor
E reviver ao escrevê-lo
Ser poeta
É mergulhar nas ondas
Naufragar a tempestade
Esquecer as afrontas
Ser poeta
É escavar no sentimento
Soltar a resina
Estancar o momento
Ser poeta
É sê-lo não dizê-lo
É cantar para fora
O que nos roi cá dentro
Abrir as entranhas
E espalhá-las ao vento.

Debora Sousa 7º9º nº25

Espaço7Língua Portuguesa disse...

Penso que o título "falcão" tem a ver com o poema.
O poema fala de um homem que passou por momentos difíceis : com fome, desesperado, sozinho, sem rumo, e sem fé!
A pessoa quando não tem fé em nada está perdida!
A vida do falcão também deve ser assim. leva uma vida sem rumo ( vai para onde há comida) em solidão e triste!

Tomas Fernandes 7º 3ª

Lua disse...

Bom, antes de mais gostaria de elogiar o sentido de oportunidade, em fazer corresponder ao que é leccionado uma realidade. Pois sempre achei que o grande mal na educação era o não se perceber a importância do que se estava a aprender, o "para que serve isto?", que leva à falta de motivação, e por consequência à falta de estudo e, como é obvio aos não tão bons resultados.
Só passei a gostar de língua portuguesa, quando no meu 8º e 9º anos tive uma professora que toda ela era paixão pela profissão que tinha. Nunca tinha visto tal coisa e, a partir de então, passei a ler. E como sabe, ler é viajar sem sair do nosso lugar! É abrir mentes, fronteiras e horizontes...
Posto isto, felicito-o pela sua escolha. Uma musica do novo álbum dos Senhores comendadores, que, a meu ver, é a mais bonita de todo o álbum, pelo significado que tem no meu cruzamento.
É uma letra complicada, é certo. E, a menos que o autor diga qual o verdadeiro simbolismo, cada um interpreta conforme as suas vivencias.

Interpreto o poema como uma relação triangular, não fechada. Isto porque, temos três sujeitos: O autor: "Eu"; alguém mais novo que está a viver algo semelhante ao autor: o "puto"; e por fim o "falcão", que poderá ser uma terceira pessoa, ou uma força divina, que foi a saída/escape do autor. E é esta a relação triangular, o autor tenta ajudar o rapaz, e aconselha-o a seguir o "falcão". No entanto, sabe que o "falcão" não é a felicidade, mas termina por dizer que "Mesmo a teu lado sigo em solidão". É relevante no poema um forte sentimento de individualismo. Talvez, não porque queira, mas pelas circunstancias da vida. O que é perfeitamente compreensível, visto o autor ser um pouco tímido e pacato, talvez, daí dar aquela imagem de carrancudo, mal disposto e até mesmo antipático.
Para terminar, só queria referir, que segundo as informações que tenho, e penso serem correctas, a letra é do guitarrista João Cabeleira e não do Tim.
Despeço-me com um pedido de desculpas pela intromissão, porque ao que parece este blogue seria apenas para os seus alunos, mas não consegui deixar de comentar.
Mais uma vez, parabéns pela iniciativa, atentamente.